Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nos últimos dias fiz uma pequena viagem até Itália.

O James já tinha ido para lá, por causa do seu trabalho, e eu aproveitando o feriado municipal com um dos dias do fim de semana, viajei até ao encontro dele.

O nosso filho ficou duas noites com os avós e outras duas noites com um casal amigo.

Assim, lá apanhei dois comboios, um táxi para chegar ao aeroporto de Lisboa. 

 

Fiz tudo o que era suposto eu fazer e depois de passar a segurança, andei a passear entre as salas de espera/de embarque, zona comercial e a zona de alimentação. Chegou uma altura que decidi sentar-me e pedir uma bebida. Escolhi um lugar num balcão de uma pastelaria/restaurante muito bonita. 

Estava um casal ao meu lado que almoçavam. Eu esperei a minha vez para ser atendida. Estava muitas pessoas àquela hora no aeroporto. 

Continuei à espera. Outra senhora tem a mesma ideia e vêm sentar-se ao meu lado, num banco vazio no mesmo balcão.

Estávamos ambas à espera.

Continuamos à espera. 

As duas empregadas olhavam de vez em quando para nós. E isso deu-me a certeza que notaram a nossa presença e por isso só teríamos que esperar. 

Continuámos à espera.

A senhora ao meu lado, cansada, chama a atenção a uma delas.Esta diz-lhe que tinha que ir para a caixa para ser atendida. Eu olho para todos os lados à procura do aviso para este procedimento. Não encontro. sinto-me perdida com esta nova informação, pois também não observei comportamentos que me dessem essa pista.

Fomos ambas para a caixa. Já estava lá uma pessoa. 

Refiro que a dita pastelaria tinha outra caixa com uma fila enorme para as pessoas comprarem coisas e irem se sentar na zona comum de alimentação. O nosso caso era diferente, pois queríamos ocupar lugar dentro do espaço particular da dita pastelaria.

Chegou a minha vez. Pedi a minha bebida. A empregada perguntou-me para onde é que eu pretendia sentar-me. Respondi-lhe no balcão, na pontinha do balcão. Ela disse-me que eu não podia ir para lá.

 

 

O quê? 

Perguntei porquê. Ela respondeu-me que o balcão era para consumo. Eu fiquei a olhar para ela. Devo ter feito uma GRANDE CARA DE PARVA

Perguntei-lhe se tomar uma bebida não era consumo? Pelos vistos não, pois não iria comer. COMER UM PRATO DE COMIDA ERA CONSUMO. Depois apontou-me para as mesas VAZIAS (no espaço da pastelaria), mas especificou-me que só poderia ir para uma em particular. A mesa era mais baixa (tipo de sala de estar) com 4 cadeirões. Eu olhei, e também vi nesse momento alguém se sentar num dos cadeirões. Olhei para a senhora com uma GRANDE CARA DE PARVA.

Refilei, refilei e refilei.

Refilei com aquelas decisões, refilei por não haver num sinal escrito que dissesse aquilo tudo.

Refilei muito!

SENTI-ME UMA PEIXEIRA! 

Peço desculpas a todas as mulheres que têm esta profissão mas refiro-me ao modo de ser que está associado ao termo "peixeirada".

IMG_3143 (2).JPGEu só queria beber em paz e sossego uma bebida no balcão, porque estando naquele sítio poderia observar a sala toda (gosto muito de observar pessoas de tal maneira que sei que às vezes incomodo deixando-as sem jeito). Tinha 15 minutos antes de me dirigir para a porta de embarque. 

A empregada acabou-me por dizer que concordava com tudo o que eu estava a dizer e que eu poderia ir para o sítio onde pretendia. Avisou as colegas que eu tinha a autorização dela.

E.... senti-me muito muito muito mal por ter sido peixeira, por ter reclamado, por ter refilado!Eu sabia que tinha razão mas não consegui controlar a minha boca, a minha reação! 

 

Não gritei, não fui mal educada, mas discuti e refilei muito.

Pedi-lhe imensas desculpas, muitas desculpas. Senti-me tão culpada por não ter aceitado a situação, ter dado tanta importância a um pequeno momento de prazer meu!

Terminei a peixeirada a pedir desculpas! Fiquei surpresa comigo própria: como eu mudei!

Passei a hora seguinte a pedir desculpas em pensamento à Sr.ª Empregada e a DEUS.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De nivelar-por-cima a 11.06.2017 às 22:49

Confeitaria Nacional?

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo